Seguidores

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

O MORRO DOS VENTOS UIVANTES

Bem, hoje estou meio melancólica e melodramática por conta de uns baldes de água fria que ando recebendo na cabeça. É sempre um risco se expor e dar a cara a tapa, principalmente quando se é extremamente sincera e impulsiva como eu sou, mas no fim estou mais feliz e mais forte. Afinal, pra que dar bola a pessoas invejosas e ignorantes?

Esses trechos foram tirados do excelente livro "O morro dos ventos uivantes", de Emily Bronte mas também existe um filme de 1992 com o Ralph Fiennes e a Juliette Binoche que é muito bom.

Uma breve sinopse para quem não conhece a história: Heathcliff é filho adotivo e seus irmãos o humilham, tratando-o como um empregado. Ele e Cathy, sua irmã adotiva, são apaixonados, mas acabam se separando e ela se casa com o nobre Linton. Ele deixa a família e retorna anos mais tarde, buscando vingança contra aqueles que o separaram de Cathy.

Falas de Cathy:

“Minhas grandes tristezas neste mundo têm sido as tristezas de Heathcliff, e eu enxerguei e senti cada uma delas desde o início, pois ele é a suprema razão do meu viver. Se tudo o mais perecesse, e só restasse ele, eu continuaria a existir, ao passo que, se tudo permanecesse e ele fosse destruído, todo o universo se transformaria num lugar completamente estranho para mim, de que eu não faria parte. Meu amor por Linton é como a folhagem dos bosques: o tempo o transformará, estou bem certa, assim como o inverno muda as árvores. Meu amor por Heathcliff assemelha-se às rochas eternas que jazem debaixo do chão: é uma fonte de prazer pouco visível, porám necessária. Nelly, eu sou Heathcliff! Ele está sempre, sempre no meu pensamento. Não como uma alegria, já que nem sempre sou uma alegria para mim mesma, mas como o meu próprio ser. Portanto, não me fale outra vez em separação, isso é impossível e...”

“(...) Fica acordado até tarde não fica? Esta à espera de que eu chegue em casa para trancar o portão. Bem, terá que esperar um pouco mais ainda. É uma viagem penosa e o meu coração está muito triste por ter que fazê-la (...)

Atualmente o romance foi citado várias vezes na Saga Crepúsculo, como sendo um dos favoritos de Bella, que o lia e relia diversas vezes, chegando à fazer até mesmo Edward a questionar sobre isso (em Eclipse) e depois, mais no final, ele mesmo diz que passou a gostar do livro.

Trecho do livro Eclipse, de Stephenie Meyer:

(Edward) - Eu fico feliz que Charlie tenha deixado você sair - você está precisando muito fazer uma visita a uma livraria. Eu não posso acreditar que você está lendo O morro dos ventos uivantes de novo. Você já não sabe ele de cor?
(Bella) - Nem todos nós temos memória fotográfica, eu disse curtamente.
(Edward) - Com memória fotográfica ou não, eu não entendo por que você gosta disso. Os personagens são só pessoas que arruínam a vida uns dos outros. Eu não consigo entender como Heathcliff e Cathy acabaram sendo comparados a casais como Romeu e Julieta ou Elizabeth Bennett e Sr. Darcy. Essa não é uma história de amor, é uma história de ódio.
(Bella) - Você tem sérios problemas com os clássicos, eu disparei.
(Edward) - Talvez seja porque eu não fico impressionado com antiguidades.
Ele sorriu, evidentemente satisfeito por ter me distraído.
(Edward) - No entanto, honestamente, por que é que você lê isso de novo e de novo? Os olhos dele estavam vívidos com real interesse agora, tentando - de novo - desvendar os complicados trabalhos da minha mente. Ele se inclinou na mesa pra pegar o meu rosto nas mãos dele. O que lhe agrada tanto?
A sincera curiosidade dele me desarmou.
(Bella) - Eu não tenho certeza, eu disse, lutando pra ser coerente enquanto o olhar dele não intencionalmente confundia os meus pensamentos. É alguma coisa relacionada a inevitabilidade. Como nada consegue mantê-los separados - nem o egoísmo dela, nem a maldade dele, e no fim, nem mesmo a morte...
O rosto dele estava pensativo enquanto ele pensava nas minhas palavras. Depois de um momento, ele deu um sorriso de zombaria.
(Edward) - Eu ainda preferiria se um deles tivesse uma qualidade que os redimisse.
(Bella) - Eu acho que é disso que eu estou falando, eu discordei. O amor deles é a única qualidade que os redime.
(Edward) - Eu espero que você tenha mais juízo que isso - se apaixonar por alguém tão... maligno.
(Bella) - É um pouco tarde pra me preocupar com a pessoa pela qual eu vou me apaixonar, eu apontei. Mas mesmo sem o aviso, eu pareço ter me saído muito bem.
Ele riu baixinho.
(Edward) - Eu me alegro que você pense isso.
(Bella) - Bem, eu espero que você seja esperto o suficiente pra ficar longe de alguém tão egoísta. A fonte de todo o problema na verdade é Catherine, não Heathcliff.
(Edward) - Eu vou ficar de olho, ele prometeu.

Abaixo, uma música de Kate Bush baseada no romance e o trailer do filme:
video
video

4 comentários:

  1. Grande Morro dos Ventos Uivantes, magnifico livro, sincero, aspero, agressor, amavel, apaixonante, detestavel, a duplicidade de sentimentos estao presentes neste livro... Muito bom mesmo. Deve constar na biblioteca de um bom leitor...

    ResponderExcluir
  2. Bom, keria mto ler esse livro mas oq tem na biblioteca da escola axo mto dificil de ler, intaum eu keria saber se o outro q foi relançado com capa diferente e td mais, é mais facil de se entender.

    ResponderExcluir
  3. Especialmente este livro não tem uma leitura fácil. A história é truncada em boa parte do livro, mas se coloca na pratelira dos clássicos, pois sua finalização é muito interessante. Foge um tanto do modelo "tradicional" de livro com final feliz. É uma leitura "ruminante" e, este fato é o que torna ele uma coisa grandiosa, pois é como se encontrar uma pérola: o mais interessante esta fechado no interior de uma concha dura e dificil de ser aberta, mas que ao receber a luz mostra uma vasto e belo campo de flores.

    ResponderExcluir