Seguidores

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

AUTO ESTIMA SERTANEJA

Boa tarde pessoas!!!
Hoje estou aqui pra falar de uma coisa que dificilmente vocês me verão falando outra vez: música sertaneja!
Pois é, eu não sou a maior fã do estilo musical, mas... eis que ontem eu estava indo para o meu trabalho ouvindo música quando numa propaganda da rádio que eu ouvia resolvi mudar de estação e conferir o que estava rolando em rádios que não tenho o hábito de ouvir. De repente me deparei com uma deliciosa música chiclete que grudou na minha cabeça na primeira vez que ouvi o refrão: "Todo tanto que você chorar pra mim é pouco, você tá tendo o troco, falei que ia te troco, pode rasteja, implora, pedir perdão, eu vou olhar pra tua cara e ficar repetindo não!" Na hora eu pensei: Caraca! Era exatamente o que eu queria ter dito há alguns anos atrás pra um idiota que eu namorei.

Ai eu fiquei pensando... Na época em que eu cresci e virei adolescente (entre 1984 e 2000) música sertaneja era sinônimo de música de corno. Músicas que davam vergonha e nos deprimiam só de ouvir. Músicas de quem não se ama o suficiente e fica mendigando um amor que não existe de alguém que não merece.
Aquela coisa tipo: "Diga, se te deixar faltar amor, se o meu beijo é sem sabor, se não fui homem pra vocêêêêê..."

"Mais uma vez, Meu coração esquece tudo o que você me fez, E eu volto pra esse amor insano, Sem pensar em mim, (cadê o amor próprio?) Pra recomeçar, Já sabendo o fim" (Zezé di Camargo e Luciano)

"Abandonado por você, Apaixonado por você, Eu vejo o vento te levar, Mas tenho estrelas pra sonhar, E ainda te espero todo dia..."

"Se for pra ter, Você comigo e pensando nele (o que é isso???), Dormir comigo e sonhar com ele, Ter que sorrir pra não chorar de dor (é o fim né?)..." (Leandro e Leonardo)


"Seu guarda, Eu não sou vagabundo, Eu não sou delinquente, Sou um cara carente, (e põe carência nisso!) Eu dormi na praça, Pensando nela, Seu guarda, Seja meu amigo, Me bata, me prenda, (eita masoquista!) Faça tudo comigo, Mas não me deixe, Ficar sem ela..." (Bruno e Marrone)

Enfim, músicas que deixam você mais na fossa do que você provavelmente já está quando perde um grande amor, que com certeza não vale uma lágrima que você chore por ele.
E, de uns tempos pra cá houve uma retomada da música sertaneja de um modo diferente, um modo mais alegre, mais auto confiante. A música sertaneja de hoje reflete um pensamento de quem se ama em primeiro lugar. É atual e é bom, mostra que evoluimos de mendigantes de amor para selecionadores de amor. Agora, se ele (a) não nos quer, sabemos que tem quem queira!

"BOLA PRA FRENTE, CABEÇA ERGUIDA, TUDO BEM ISSO É NORMAL, O DESAMOR NÃO PODE SER FATAL!!!"

Aliás, atire a primeira pedra quem não sonhou em cantar para um ex amor:

"E daí? se eu quiser sair pra farriar, namorar, o que é que tem? Foi você quem falou que o amor acabou, que eu me lembre eu não sou de ninguém!!!"

ou

"Meu amor me fez feliz: me deu um pé na bunda, agora eu faço o que eu quero vou sair na sexta feira e só volto na segunda!"

Não sei dizer como essa onda de auto estima musical começou, na verdade, pra mim, pessoalmente, tudo começou com a música Vergonha na Cara do Inimigos da HP (que não é sertanejo, mas enfim...)

"Vou ligar pra ela e vou dizer: -Vai se f****! To com outra mais gostosa que você!"

Cara, não conheço uma pessoa que não tenha extravasado todas as suas angústias e dores de corno com essa música em alguma balada com os amigos. Essa música faz a gente lavar a alma, sério!

E depois vieram várias. As ótimas respostas de Janaynna Targino e Meri Pichelli , que responderam à altura os versos de Fernando e Sorocaba "Você diz que não me ama, você diz que não me quer, Mas fica pagando pau, qual é que é. Todo dia seu teatro é exatamente igual, você finge que me odeia, mas no fundo Paga-Pau." Com: "Todo dia me cercando, querendo me chamar atenção, Eu finjo mesmo que nem tô ligando que é pra ver se pára com essa ilusão, De me querer e achar que vou ser sua, ah, é muita ousadia, Se o meu teatro é sempre igual, por que insiste em me ver todo dia? (Perfeito! Nem precisava dizer mais nada!) Que papo é esse de dizer que eu tô pagando pau? Qual é a sua meu filho, vê se cai na real, No meio dos seus amigos, quer se aparecer, Quem tá pagando pau aqui não sou eu, é você."


E, de todas as duplas sertanejas, ouso dizer que a que mais estimula a auto confiança e a auto estima é Maria Cecília e Rodolfo. Quase todas a músicas deles mostram que é possível dar a volta por cima após um pé na bunda. (A fila andou, Se vira, Vou jogar a chave fora, O Troco, etc...)

"A fila andou, eu te falei, Não deu valor, como eu te amei, Agora chora, já me perdeu, boa sorte vai embora, A fila andou, eu te falei, Não deu valor, como eu te amei, Agora chora, você já me perdeu, tô fora!"

"Amigo, eu preciso de você aqui pra conversar/ Incompatível, mas não consigo/ Falta coragem para eu terminar/ Sai dessa, não liga/ Olha, amiga, tu és gata demais/ Inteligente, atraente, sensível/ Se ele quiser então que corra atrás"

"Chega de brincar, eu não quero mais você/ Tô cansada de falar, dessa vez é pra valer/ Aqui você não fica, vai ter que ir embora/ Quero te ver saindo e vou jogar a chave fora, eu vou"

E é isso pessoal, mesmo que talvez seja uma forma um pouco superficial de encarar os fatos, porque claro, a gente sempre sofre com o fim de um relacionamento, acho melhor encarar com bom humor, bola pra frente, do que ficar chorando infinitamente e implorando por amor.

E vocês o que acham?
Beijossssss!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário